Histórico e missão

Lab404-poscom-facom-ufba

404 – “Circula na internet uma lenda urbana curiosa sobre a origem da expressão. Sua origem remontaria aos escritórios do CERN – Laboratório Europeu de Partículas Físicas -, com sede em Genebra, na Suíça. Nos primórdios da Web, por volta de 1980, no quarto andar do CERN, na sala 404, teria sido montado um banco de dados, controlado por três peritos em computação. De acordo com a lenda, eles gerenciavam manualmente os pedidos de arquivos e os transferiam para os requisitantes. Quando aconteciam erros, eles alertavam: “Room 404 – File Not Found”. Mais tarde, a expressão teria sido incorporada ao mundo online pelo físico inglês Tim Berners-Lee, o criador da Web. O erro 404 é um código de resposta HTTP que indica que o cliente pôde comunicar com o servidor, mas ou o servidor não pôde encontrar o que foi pedido, ou foi configurado para não cumprir o pedido e não revelar a razão ou a página não existe mais”. (Wikipedia)

404 expressa um erro de localização, de endereçamento, de indexação, de etiquetagem, podendo indicar possibilidades de derivas, de desvios, de criação de processos de deambulação e errância, de serendipty, de reapropriações da mobilidade física e informacional. Errar um caminho, falhar no acesso leva sempre à necessidade de novas tentativas, de redirecionamento e relocalizacão. É interessante pensar as tecnologias digitais, ou qualquer tecnologia, como desvio, como possibilidades de aberturas para novos e inusitados processos comunicativos. 404 é assim uma marca que visa lembrar a abstração da dimensão do espaço e a necessidade de produção de sentido local. E nada melhor do que erros de localização para produzir novas espacializações, aberturas de caixas-pretas que levam à revelação das redes e das associações. Em uma área dominada pelo gestão informacional do mundo e pela hegemonia de práticas e serviços de hiperlocalização de coisas e de não-coisas, erros 404 tornam-se vitais. Um dos objetivos do Lab404 é questionar a hiperlocalização, a hipervisibilidade e produzir reflexões sobre processos de localização de coisas e informações bem como sobre aqueles que insistem, intencionalmente ou não, no erro, na deriva e na deslocalização.

404nOtF0und é também o nome da revista eletrônica multimidiática (pioneira na área de comunicação criada em 2000) que, a partir de 2013, reconfigurada, passará a ser chamada de 404nOtF0und. Journal of Digital Media, Network and Space (em andamento).

HISTÓRIA

O Lab404 – LABORATÓRIO DE PESQUISA EM MÍDIA DIGITAL, REDES E ESPAÇO. O Lab404 é o agora extinto GPC – Grupo de Pesquisa em Cibercidade. O GPC surgiu em 2000 no bojo de um convênio internacional de cooperação acadêmica com a Universidade de Aveiro, Portugal (2000-2004) para estudar a projeto “Aveiro Cidade Digital”, na linha de pesquisa em Cibercultura do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da Facom/UFBa. De 2000 a 2006, diversas pesquisas foram feitas sobre cidades digitais ao redor do mundo, portais governamentais, projetos de inclusão digital. Três livros foram produzidos nesse sentido. Dissertações de mestrado e teses de doutorados foram defendidas sobre esses temas (cidade digital, inclusão digital, governo eletrônico, interface de portais governamentais…).

Há uma mudança significativa que vem sendo feita desde 2006 com estudos mais amplos sobre espacialização, redes e mídias digitais, particularmente com a pesquisa sobre mídias locativas e a teoria ator-rede. Teses de doutorado, programa de pós-doutoramento e dissertações sobre jogos locativos, arte e mídias locativas, cartografias colaborativas, espacialização e zonas bluetooth, jornalismo locativo e móvel, celulares e capital social, entre outros foram desenvolvidas nesse período. Hoje, efetivamente, nosso coletivo não é um grupo de pesquisa sobre projetos de fechados em torno do tema da “cidade digital”, ou “cibercidade”, mas um coletivo de pesquisadores que discutem as diversas mídias digitais e suas relações com os processos de espacialização e redes sociotécnicas (incluindo aí os temas anteriores). Embora o nome “cibercidade” possa ser utilizado para expressar os projetos atualmente em desenvolvimento, optou-se por uma mudança de nome pois, além da ampliação do escopo, há também uma mudança na dinâmica de trabalho.

O coletivo funcionará menos como um lugar de leituras de textos e discussão individual de projetos (o que foi feito com êxito durante anos) e mais como um laboratório integrado de pesquisa, com ação em três eixos (ver adiante) precisos. Uma maior produção escrita autoral semanal será estimulada, produtos (técnicos e bibliográficos) serão produzidos constantemente. A mudança no foco das pesquisas e na dinâmica dos trabalhos justificam a mudança de nome e a denominação de laboratório. Os projetos que fazem parte do Lab404 são todos projetos integrados ao Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da UFBa, ou são projetos de conclusão de curso de graduação orientados pelo prof. André Lemos.

MISSÃO

O tema central de interesse é a relação entre as tecnologias digitais de comunicação e informação (TICS), o espaço urbano e a cultura contemporânea. O objetivo principal é discutir as questões conceituais e metodológica dos processos de espacialização midiáticos em jogo na cultura contemporânea com o surgimento de redes ubíquas e de tecnologias digitais portáteis de produção, consumo e distribuição de informação. O Lab404 interessa-se pelas dimensões filosóficas, sociais, culturais e políticas dessa relação. Assim sendo, as pesquisa realizadas buscam compreender os atuais processos de produção do espaço em jogo com usos e serviços oferecidos pelas tecnologias de informação e comunicação em rede. Os temas de interesse são amplos: dispositivos portáteis digitais (smartphones, e-readers, tablets), games, cartografias digitais, mídias locativas, internet das coisas, Big Data, computação nas nuvens, vigilância, privacidade, rastreamento de dados, mobilidade, arte digital, smart cities, governo eletrônico, ciberativismo, entre outros. A investigação sobre as formas de produção social do espaço com as novas mídias digitais e suas redes sociotécnicas é o interesse central do laboratório. As abordagens teóricas são múltiplas, passando pelas história e teoria da comunicação, as teorias das materialidades das mídias, a filosofia da técnica, a teoria ator-rede, a sociologia compreensiva e os estudos culturais. O laboratório é certificado pelo diretório dos grupos de pesquisa do CNPq.

A missão do Lab404 divide-se em três eixos principais:

Eixo 1 – Formação Acadêmica de Alto Nível
Formar pesquisadores em todos os níveis: Iniciação Científica, Mestrado, Doutorado e Pós-Doutorado no PPGCCC/Facom/UFBa;
Oferecer cursos de extensão, especialização e disciplina em níveis de graduação e pós-graduação no PPGCCC/Facom/UFBa;
Organizar encontros, seminários e congressos nacionais e internacionais;
Produzir bibliografia específica (teses, dissertações, livros, artigos, ensaios e relatórios).

Eixo 2 – Produtos Técnicos, Editoriais e Artísticos
Realização de aplicativos, cartografias, produtos com mídias locativas;
Produção de arte eletrônica;
Produção Editorial – Revista Acadêmica; e-books.

Eixo 3 – Consultoria
Consultoria especializada;
MiniCursos sob demanda;
Palestras e Oficinas

O Lab404 realiza reuniões semanais com todos os pesquisadores.

10 MANDAMENTOS DO LAB 404

1. As reuniões do Lab 404 são as QUARTAS, das 14 às 18h. Ver Calendário no site: http://gpc.andrelemos.info/blog.

2. Os pesquisadores devem trazer LINKS interessantes que serão informados no início de cada reunião e irão para o blog (“Links da Semana”).

3. Os pesquisadores devem, sempre que possível, mandar informações interessantes para o TWITTER (@Lab4O4, #Lab404), o GOOGLE GROUP (lab_404@googlegroups.com), o FACEBOOK (https://www.facebook.com/lab4O4) e/ou para o SITE (http://gpc.andrelemos.info/blog)

4. Cada texto a ser apresentado por um pesquisador do Lab 404 DEVE SER ENVIADO ATÉ O DOMINGO anterior à reunião. Todos devem LER OS TEXTOS para discussão e comentários.

5. Os pesquisadores que apresentam as suas pesquisas em uma reunião DEVEM POSTAR um texto no Blog ATÉ A DATA da próxima reunião. Sobre o texto: O grupo discute e sugere o tema a ser tratado. O texto (ENSAIO) deve ser novo, escrito para estimular a polêmica e a reflexão Deve conter referências bibliográficas, links externos, fotos, vídeos…O ensaio deve ter de 1000 a 1500 palavras.

6. TODOS os pesquisadores devem se ENGAJAR em uma ou mais atividades em andamento no Lab 404 (site e redes sociais, Wi-Fi Salvador, e-books, Journal, eventos…).

7. Propostas de PROJETOS ACADÊMICOS, ATIVIDADES DE EXTENSÃO, ARTE E INTERVENÇÕES são bem-vindas. Os pesquisadores DEVEM propor novas atividades ao Lab 404.

8. Os pesquisadores do Lab 404 devem PARTICIPAR DE CONGRESSOS, SEMINÁRIOS, EVENTOS dentro e fora do PPGCOM/UFBA.

9. Os pesquisadores (mestrandos e doutorandos) do Lab 404 devem PUBLICAR UM ARTIGO ACADÊMICO POR ANO em revista acadêmica indexada (Qualis “B3” para cima).

10. Os pesquisadores DEVEM MENCIONAR fazer parte do Lab 404 em todas as atividades neste formato: “Fulano de Tal é pesquisador do Lab 404 – Laboratório de Pesquisa em Mídia Digital, Redes e Espaço do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da FACOM/UFBA. http://www.lab404.ufba.br/”.

Contato – lab404ufba@gmail.com